sábado, 18 de agosto de 2012

CHAMA-ME O QUE QUIZERES...



Vou guardar as tuas mãos...
Na paixão que tenho por ti...
Mas não te posso revelar o meu nome...
Nem precisas de o saber.
Chama-me o que quiseres...
Dá-me um nome para que possamos
Amarmo-nos.
Aquele que tinha perdi-o no caminho até aqui.
Pertencia a outra paixão, e já a esqueci.
Dá-me tu um nome para eu poder...
Ficar contigo.


Alberto